Resenha – House of Ravens (Nightfall Chronicles #2)

Esse livro… Aiai esse livro… O medo que eu estava de ele não ser à altura do primeiro, e as surpresas que eu tive com ele… Ok, admito que enrolei para escrever a resenha porque ainda não consegui lidar com o final. Mas vamos lá que amanhã já devo pegar o próximo e aí não vou estar em condição de nada.

House of Ravens (Nightfall Chronicles #2)
Autor: Karpov Kinrade
Editora: Daring Books
Edição: 2
Ano:  2015
Fanpage

Você pensa que conhece o caminho para a vitória? Então me diga como irá vencer.

Vai comprar o triunfo com ouro e favores? Vai reunir exércitos e negociar em sangue? Ou vai ser a mão nas sombras, com seus dedos nos fios? O que quer que decida, saiba disto. Se colocar os inocentes em risco…

Você responderá a mim.

Eu sou a guardadora de segredos e a contadora de mentiras. Eu sou a sombra da morte e aquela que traz a luz. Eu me tornarei um Cavaleiro da Primeira.

E as Ordens irão cair.

Eu acho que todo mundo tem esse mesmo problema de ter medo do segundo livro de uma série quando gosta muito do primeiro. Depois de ter pirado com o primeiro livro, eu estava morrendo de medo do segundo não estar à altura, especialmente levando em conta umas coisinhas que li no grupo dos autores (sabe a pessoa que vai procurando spoiler? Pois é). Eu não achava que iam conseguir fazer isso funcionar. Mas funcionou. Ô se funcionou.

Vamos lá: meu primeiro medo com esse livro foi por saber que a Scarlett ia passar a maior parte da história em uma escola. Já vi tantas variações desse cenário que quase sempre fica uma coisa extremamente cansativa para mim, mas por sorte não foi esse o caso aqui. Não vou falar que tem uma super-hiper-mega inovação, mas os autores acertaram a medida certinha de o quê falar sobre a escola, e o quê só mencionar por alto.

Logo no começo do livro somos apresentados para Corinne, que vai ser a companheira de quarto da Scarlett. E aí começam as complicações. Corinne é uma princesa, e o pai dela, o rei Varian, foi o responsável por vencer Nyx e acabar com a guerra entre humanos e Nefilins. O problema? Varian foi chamado para dar um jeito em Nightfall. O primeiro confronto entre eles não acaba em desastre por muito pouco (traduzindo: porque Zorin entra na luta). É mais que óbvio que Nightfall não está preparada para encarar um inimigo desse porte, e nem vai estar pronta para isso tão cedo. Para piorar? Varian se oferece para dar aulas na escola. E sim, vira professor da Scarlett.

Mas só porque alguém é oprimido não quer dizer que são bons. E só porque alguém é parte do sistema — privilegiado, até – não faz dele uma pessoa ruim.

Uma das coisas que mais gostei desse livro é que em nenhum momento as coisas são preto e branco. Não existe um certo e um errado, nenhum tipo de absoluto. O surgimento de Nightfall fez os grupos de rebeldes Zenith se tornarem mais e mais violentos, e eles não estão dispostos a obedecer às ordens dela. Scarlett começa a se questionar se o que está fazendo realmente é a melhor escolha.

Ao mesmo tempo em que Scarlett tem que lidar com essas dúvidas e com o andamento dos Templários Sombrios sem deixar que suspeitem de quem ela realmente é, ela também precisa dar o melhor de si na escola. Para fazer uma mudança vinda de dentro das Ordens ela precisa se tornar um Cavaleiro da Primeira, e isso quer dizer ser a melhor das melhores. E os testes da escola podem muito bem ser letais.

Ao contrário do primeiro livro, que não teve nada de romance (só uma ou outra coisinha de leve entre Scarlett e Jax), no em House of Ravens isso muda. O romance é natural e se desenvolve de uma forma que eu gostei bastante. E isso coloca outro problema na cabeça de Scarlett: como ela pode ter um relacionamento com alguém sem que essa pessoa saiba que ela é um Nefilim e é a Nightfall?

Uma escolha impossível está diante de mim. Uma que preciso fazer entre as batidas de um coração.

Não posso salvar os dois.

Qualquer que seja minha escolha, ela vai pesar para sempre no meu coração.

Eu escuto sua voz na minha cabeça. No meu coração. Eu vim aqui para protegê-los.

E eu sei qual escolha tenho que fazer. A escolha que irá me quebrar.

A história flui em um ótimo ritmo, e vemos Scarlett/Nightfall crescendo bastante durante o livro. Os personagens que são apresentados são excelentes, e todos eles cheios de surpresas. E são exatamente essas surpresas que levam a um final que me deixou totalmente sem palavras. Na verdade, não posso nem falar que foi “o final”. Foi a reta final do livro mesmo. Cada cena foi um tapa na cara ou um soco na boca o estômago. Eu ainda estou tentando lidar com esse final (esperem surtos assim que eu botar as mãos no próximo livro. Tipo, em algum momento hoje…).

Definitivamente FOI à altura do primeiro livro, talvez até melhor. Preciso esperar o surto passar para conseguir avaliar direito.
 

Night of Nyx (Nightfall Chronicles #2.25)
Autor: Karpov Kinrade
Editora: Daring Books
Edição: 1
Ano:  2015
FanpageNesta novela dos autores bestseller do USA TODAY Karpov Kinrade, veja os eventos de House of Ravens pelos olhos de Andriy Zorin.

— Pensei que Nyx não existisse mais. – ela diz.

Zorin abre o caixão antigo, revelando uma capa negra e uma máscara branca.

— Eu preciso ser ele de novo. Uma última vez.

Night of Nyx cobre os acontecimentos do começo de House of Ravens, os primeiros 5 capítulos, se não me engano (e não tenho emocional para ir conferir). Algumas coisas são uma ‘repetição’ do livro, mas pelo ponto de vista de Zorin e do Rei Varian. Ou seja, mesmo a repetição dá uma nova visão à tudo o que está acontecendo. Também tem bastante coisas que não entraram no livro, e elas explicam muito sobre como os dois personagens funcionam.

Se minha cabeça já estava cheia de teorias e em modo surto total, depois de ler Night of Nyx eu fiquei completamente perdida. Não consigo nem imaginar o que vai acontecer, como vai acontecer. Como falei ali em cima, os personagens têm segredos e surpresas demais, e quero só ver para onde isso tudo vai levar.

 
O próximo livro, Song of Kai, é narrado pela Corinne. Ele é o livro 2.5, e o 3 se chama Daughter of Strife. Acho que não preciso nem falar que vou ficar louca esperando o 3, não é? Bom, sei que quem escuta meus surtos no whatsapp se diverte às minhas custas (né, Marcelo?) mesmo, então nem preocupo em parar com os berros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *